Cidades
Publicada em 13/01/2021 - 00h39min

André Diniz
Esporte e Lazer

Após polêmica, Barreiros é afastado

A Prefeitura de Mogi das Cruzes informou ontem à noite que, após criteriosa análise jurídica, decidiu pelo afastamento do recém anunciado secretário-adjunto de Esporte e Lazer, Reinaldo Barreiros

Foto: Emanuel Aquilera

Reinaldo Barreiros Caio Cunha anuncia novos nomes para secretariado 2021
A Prefeitura de Mogi das Cruzes informou ontem à noite que, após criteriosa análise jurídica, decidiu pelo afastamento do recém anunciado secretário-adjunto de Esporte e Lazer, Reinaldo Barreiros.
A decisão foi embasada em critérios legais - embora também pesem outros fatores.
A análise jurídica, segundo nota da Prefeitura, constatou que Barreiros é condenado em processo datado de 2005, transitado em julgado em segunda instância no ano de 2009.
Desta forma, a determinação vem ao encontro das diretrizes da gestão municipal, visando sempre as ações de transparência do mandato.
"Primeiramente é preciso coerência; afinal, sou autor da Lei da Ficha Limpa Municipal e sempre defendi que nesta gestão não haveria espaço para sentenciados pela Justiça na esfera criminal. Em segundo lugar, é preciso coragem para admitir que nossa seleção falhou em apurar de forma precisa os antecedentes de Barreiros", disse o prefeito Caio Cunha. O chefe do Executivo fez uma live na noite de ontem, direto da Prefeitura de Mogi para anunciar que haveria uma definição. O caso, iniciado no final de semana, ganhou notoriedade nas redes sociais e vem sendo acompanhado pela população e meios de imprensa
Num vídeo gravado, Barreiros aparece fazendo comentários de cunho antidemocrático em uma rede social, bem como suas repercussões junto à população e o Poder Público. Em resposta, a Prefeitura de Mogi afirmou que "o caso segue em rigorosa análise jurídica", e que "até que a análise seja concluída, a municipalidade não vai comentar o caso".
Barreiros foi alvo de críticas no final de semana quando duas situações foram levantadas contra ele. Em um primeiro instante, foi divulgado um Inquérito Civil do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) no qual Barreiros apareceria entre um dos representados junto à Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social. A apuração trataria de um suposto esquema de repasse de pagamentos de servidores no Núcleo de Avaliação Estratégica (NAE) da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Dias depois, foi divulgado um vídeo feito por ele em um período não determinado, em que ele teria feito comentários a favor da censura. (A.D.)
Compartilhe
Comentários
Comentar

Mais vistos