Opinião
Publicada em 11/08/2020 - 01h11min

Afonso Pola

Catástrofes esquecidas

Todo evento, por mais impactante que seja, acaba sendo incorporado no nosso cotidiano como se natural fosse. Mas, além da violência e corrupção, outro tipo de evento também trilha o mesmo caminho. O das tragédias.
Em 31 de dezembro de 1988, o Bateau Mouche naufragou na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, matando 55 pessoas. O barco estava com excesso de passageiros e o casco apresentava furos. Quase 32 anos depois, ninguém foi punido e as famílias ainda não foram indenizadas.
O massacre do Carandiru foi uma chacina que aconteceu em 2 de outubro de 1992, que deixou 111 presos mortos. Vários policiais envolvidos foram promovidos depois. O processo continua em aberto.
A chacina da Candelária (Rio de Janeiro) ocorreu em 23 de julho de 1993, quando oito crianças e jovens foram friamente assassinados por policiais. Três PMs foram considerados responsáveis e foram condenados a pelo menos 200 anos de prisão. Em 23 de julho de 2018 os três receberam um indulto e foram colocados em liberdade.
Já em 27 de janeiro de 2013, o incêndio na boate Kiss matou 242 pessoas e feriu 680. Ocorrida em Santa Maria (RS), tal tragédia foi provocada pela imprudência e pelas más condições de segurança. Sete anos depois, o julgamento que estava previsto para março deste ano foi suspenso.
Em 2015 o rompimento da barragem em Mariana (Samarco/Vale S.A.) matou 19 pessoas e causou danos ambientais incalculáveis. O processo de indenização das famílias ainda se arrasta. O mesmo serve para o ocorrido em Brumadinho (Vale S.A.) em 25 de janeiro de 2019 com 259 mortos. Nesses dois casos também não existe a punição aos responsáveis.
Temos ainda o aparecimento das manchas de óleo no Nordeste e queimadas na Amazônia. São também crimes sem respostas. No caso da pandemia, já ultrapassamos 100 mil mortes.
Precisaria de um jornal inteiro para falar de todas as outras que não foram aqui mencionadas. As tragédias também vão rapidamente para o esquecimento de mãos dadas com a impunidade.
Compartilhe

Mais vistos