Opinião
Publicada em 08/08/2020 - 23h04min

Mauro Jordão

Sentimento de culpa

Deus se revela com simplicidade, o homem com complexidade. Francis Schaeffer (1912-1984), no seu livro O Deus que Intervém, mostra isso ao afirmar que a teologia moderna pode até usar o termo "culpa", mas, por ela não ser orientada por uma estrutura moral verdadeira, acaba não sendo mais do que um "sentimento de culpa".
O sentimento de culpa é o senso moral comum à todos seres humanos que se originou, no Jardim do Éden, após a queda dos nossos primeiros pais, Adão e Eva, e nos permite diferenciar o bem do mal ou seja o certo do errado. Esse sentimento nos faz sentir culpados por aquilo que pensamos ou praticamos em desacordo com a vontade de Deus, porém, a diferença está em assumir ou se eximir da culpa.
Quando se assume como "réu", há arrependimento, confissão do pecado e certeza do perdão de Deus através do sacrifício vicário de Jesus na cruz. Então, teremos a bem-aventurança de Romanos 5: 1: "Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus, por meio do nosso Senhor Jesus Cristo". Eximir-se da culpa é fazer-se de "vítima", corroído moralmente pelo remorso, busca o falso fim do tormento pelo suicídio, foi o caso de Judas, diferente de Pedro em quem houve o arrependimento.
Outro caminho, suavizar a gravidade da culpa por um leve sentimento de culpa, argumentando ser "vítima" da família, da sociedade e até da igreja, às vezes, auxiliado por um psicólogo ou por um psicanalista, o que é frequente. A redefinição pós-moderna do indivíduo diz ser ele um produto social e transfere a culpa dos seus atos e decisões, sejam cruéis ou não cruéis, para a sociedade em que vive, tornando-se um "nada" irresponsável e sem sentimento de culpa por pensar não haver mais a culpa. No entanto, a resposta cristã diz que ele é uma criatura moral feita à imagem do criador, e quando quebra as leis de Deus é culpável. Romanos 8 é a resposta para a redenção: "Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito".
Compartilhe

Mais vistos