Editorial
Publicada em 16/07/2020 - 00h27min

Ações conjuntas

Se por um lado, o setor de bares e restaurantes tem motivos para comemorar após a permissão do governo do Estado, por meio do Plano São Paulo de retomada econômica, para voltar a atender clientes presencialmente, mesmo que ainda com limitações de quantidade de pessoas e regras rígidas de higiene; por outro, a revelação da sede regional do Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de São Paulo e Região (Sinthoresp) de que 60% dos trabalhadores vinculados à categoria perderam o emprego durante a pandemia, é extremamente preocupante. Segundo a avaliação da entidade, publicada por este jornal na edição de ontem, cerca de 420 profissionais foram dispensados neste período.
No mês passado, ainda enquanto se discutia protocolos de segurança com vistas à reabertura, a associação de proprietários de academias de Mogi das Cruzes estimava a demissão de aproximadamente 450 funcionários do setor durante o período de paralisação. O cálculo feito por Marcos Pudo, representante de 75 estabelecimentos do segmento no município, tinha como base o encerramento de contratos de 30% a 40% dos 1,3 mil trabalhadores do ramo. Mais um indicativo de que a pandemia deixaria marcas profundas na atividade, como de fato está ocorrendo.
A lista de desempregados com certeza vai engrossar quando outros sindicatos e entidades representativas vierem a público para divulgar, em números, as evidências concretas de uma crise de mercado jamais vista. Para este semestre, outro setor que já acena com dispensas em massa é o de professores e profissionais de Educação, que tem planos para retomar as atividades apenas a partir de setembro, se a pandemia der sinais de que foi controlada, o que ainda não é possível decretar.
A retomada promete ser lenta e as dificuldades para os setores impactados permanecerão por algum tempo. O próprio mercado terá de se reinventar para absorver todas as pessoas que já perderam o emprego. Mais do que nunca, a subsistência da população vai depender de ações políticas abrangentes e da integração dos poderes com um sentido único: a criação de uma nova sociedade mais justa e igualitária.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Mais vistos