Opinião
Publicada em 15/05/2019 - 23h40min

Cedric Darwin

Acidentes

Rogério Marinho, maestro da reforma Trabalhista de 2017 e atual secretário no Governo Bolsonaro, anunciou modificações na fiscalização das normas que regulamentam a segurança do Trabalho. Conhecidas com "NRs" ou Normas Regulamentadoras da ABNT, elas estabelecem critérios técnicos para segurança e saúde no trabalho.
Elas guiam os técnicos e a Justiça na apuração de trabalho em condições insalubres, perigosas, a segurança de máquinas e equipamentos, o trabalho em altura entre outras particularidades. A motivação é sempre a mesma: modernização das relações de emprego e a lendária geração de novos postos de trabalho. Não se sabe o motivo que leva o atual governo com o antigo Rogério Marinho, deputado não reeleito, em insistir na tese de que a redução de direitos e garantias de empregados irá gerar novos empregos.
Desde 2017 a população, golpeada pela reforma Trabalhista, espera ansiosamente as milhares de vagas que seriam criadas. O que se viu (e se vê) foi apenas o aumento do desemprego. Rogério Marinho já provou que de empregos não entende nada, é apenas um exterminador de direitos.
É óbvio que a redução da segurança não irá gerar nenhum novo emprego. Apenas assistiremos a um incremento no já elevado número de acidentes com todos os seus nefastos custos sociais e previdenciários. E a conta fica com a Previdência Social. A burrice no afrouxamento de regras de segurança, que já não são cumpridas, aumentarão ainda mais o número de empregados doentes, amputados, inválidos e mortos, com milhares de benefícios para doença, acidente, invalidez e pensões por morte.
Segundo o Ministério Público do Trabalho, a cada 48 segundos há um acidente no Brasil e cada 3 horas e 38 minutos um empregado é vítima fatal. Foram 4,26 milhões de acidentes de 2012 a 2018 gerando despesas previdenciárias de R$ 28,81 bilhões. Mais um, dos muitos retrocessos, para os empregados que politicamente fermenta o crescimento de uma extrema esquerda, num movimento pendular que foi de Lula a Bolsonaro e voltará.
Compartilhe

Video

Mais vistos