Brasil e mundo
Publicada em 08/04/2019 - 23h59min

Estadão Conteúdo
Reprovado

Bolsonaro demite Rodríguez; Weintraub assume a Educação

Após três meses convivendo com as polêmicas protagonizadas pelo ministro, presidente decide pela substituição

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) confirmou no final da manhã de ontem, a demissão do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, alvo de críticas dentro e fora do governo e pressões diversas. O ministro enfrentava uma crise que vem desde sua posse, com disputa interna entre grupos adversários, medidas contestadas, recuos e quase 20 exonerações.
Bolsonaro informou em sua conta no Twitter que Abraham Weintraub será o novo chefe da pasta. "Abraham é doutor, professor universitário e possui ampla experiência em gestão e o conhecimento necessário para a pasta. Aproveito para agradecer ao Prof. Velez pelos serviços prestados", escreveu o presidente.
Na sexta-feira, num explícito processo de "fritura pública" do auxiliar, Bolsonaro afirmou que o ministério "não estava dando certo". "É uma pessoa bacana, honesta, mas está faltando gestão, que é uma coisa importantíssima. Vamos tirar a aliança da mão esquerda e pôr na mão direita ou na gaveta", disse.
Nestes três meses de governo, Vélez perdeu até o apoio de seu "padrinho", o escritor Olavo de Carvalho, influenciador do bolsonarismo. Olavo afirmou que não iria fazer nada contra Vélez, a quem chamou de "traiçoeiro". "Mas garanto que não vou lamentar se o botarem para fora do ministério".
Indicado para assumir o ministério da Educação, o economista Abraham Weintraub também é um assíduo seguidor das teorias do escritor Olavo de Carvalho. Ele defende que é preciso vencer o que chama de "marxismo cultural" das universidades a partir dos ensinamentos do guru do bolsonarismo.
Essa ideia foi apresentada por ele em dezembro a apoiadores do presidente Jair Bolsonaro durante um evento organizado por seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), em Foz do Iguaçu.
Na Cúpula Conservadora das Américas, Weintraub falou à plateia que os militantes de direita deveriam adaptar as teorias de Olavo para vencer os embates teóricos com os militantes de esquerda, inclusive adotando o seu jeito de falar com xingamentos. "Quando um comunista chegar para você com o papo 'nhoim nhoim', xinga. Faz como o Olavo de Carvalho diz para fazer. E quando você for dialogar, não pode ter premissas racionais", disse no evento.
Na época, Weintraub e seu irmão, Arthur, eram os responsáveis por pensar a Previdência na equipe de transição do governo. Quando Bolsonaro assumiu a Presidência, Weintraub foi indicado como secretário-executivo da Casa Civil e Arthur foi para a equipe do ministro Paulo Guedes (Economia). Ele e o irmão apoiaram o presidente desde antes do início da campanha eleitoral começar.
Apesar de integrar a parte econômica do que seria o futuro governo, Weintraub aproveitou a temática do evento para focar seu discurso no combate ao pensamento de esquerda. Os irmãos contaram que desde que começaram a ajudar Bolsonaro, ainda em 2017, enfrentaram muita resistência no meio acadêmico.
No evento de Foz do Iguaçu, o agora ministro também disse que o país precisava "parar de fazer bobagem" para se chegar a uma situação ideal e defendeu o expurgo do comunismo e disse que era preciso evitar ameaças como ataques terroristas islâmicos para que o Brasil se tornasse "um dos países mais pacíficos do mundo".
  • Ricardo Vélez Rodríguez ficou no cargo por três meses
  • Weintraub assume para vencer o "marxismo cultural"
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos