Brasil e mundo
Publicada em 29/11/2018 - 23h09min

Lava Jato

Pezão é preso durante operação da PF no Rio

Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

Para PF, Pezão deu sequência aos crimes de Cabral
O superintendente da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi, afirmou ontem que a prisão do governador Luiz Fernando Pezão (MDB), pela manhã, mostra que o órgão "não vê cargos" nas suas investigações. Saadi negou que a deflagração da operação agora, a pouco mais de um mês de o mandato de Pezão terminar, tenha algo a ver com o momento político.
"A PF não se baseia em momento político. Ela é sempre deflagrada quando está madura", afirmou Saadi. Segundo o superintendente, a questão do fim do mandato, o que levará Pezão a perder a prerrogativa de foro, não influenciou na decisão de deflagrar a operação. Por causa do foro, a prisão preventiva de Pezão foi autorizada pelo ministro Felix Fischer, relator da Lava Jato no Superior Tribunal de Justiça (STJ). "A pessoa estando com foro ou não ela responde à Justiça", afirmou Saadi.
Os delegados da PF justificaram a necessidade de Pezão ficar preso por causa da repetição da prática de crimes e pelo motivo de que os valores supostamente desviados pelo governador não foram localizados. Alexandre Bessa, delegado federal responsável pela Operação Boca de Lobo, afirmou que há elementos de que o esquema durou até julho deste ano. "A partir do momento que Sérgio Cabral deixou o governo do Estado, Pezão passou a sucedê-lo e liderar a organização criminosa. A gente conseguiu comprovar isso" afirmou o delegado. Segundo Bessa, Pezão também designou seus próprios operadores para integrar o esquema. (E.C.)
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos