Opinião
Publicada em 10/10/2018 - 23h09min

Enganados

A guerra do segundo turno das eleições presidenciais já começou entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), e o suspense toma conta do país nessa contagem regressiva de 18 dias até 28 de outubro, data em que será conhecido o novo líder e administrador do Brasil. Um dos principais motivos de apreensão é em relação ao curso que a Operação Lava Jato poderá tomar a partir dessas eleições.
Algumas varrições eleitorais já ocorreram no último domingo com a não eleição de Dilma Rousseff, Fernando Pimentel, Beto Richa, Eunício Oliveira, Romero Jucá e Lindbergh Farias, mesmo assim, isso não assegura a continuidade da faxina contra a corrupção. Independentemente do resultado do pleito, o que precisamos ter como garantia é que o país voltará a crescer, com a aprovação das reformas estruturais necessárias para resgatar a economia. O que não podemos é ter um retrocesso, o aumento do desemprego e da inflação, falta de incentivo ao empresário e desleixo com as contas públicas.
O clima está quente entre os eleitores que defendem as ideias de Haddad contra aqueles que acreditam em uma reformulação a partir da eleição de Bolsonaro. Parece que o povo esqueceu que político adora prometer, mas quase nunca cumpre 10% do que se compromete. Então, o momento é de fiscalizar e ficar atento, e não de defender cegamente as ideias dos presidenciáveis.
Sem voltar muito no tempo, basta relembrar das promessas feitas pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) às vésperas da reeleição em 2014: baixar a tarifa da conta de luz, retomar o crescimento, controlar a inflação, não elevar os juros e gerar empregos. Não foi bem o que aconteceu. Na verdade, os resultados de suas promessas foram catastróficos - o Produto Interno Bruto (PIB) despencou para - 3,8%, a inflação saltou de 6,4% para 10,7%, os juros Selic chegaram a 14,2% e o desemprego cresceu em torno de 90%.
Então, antes de entrar em discórdia com familiares e amigos em defesa dos políticos, vale lembrar que você pode estar sendo enganado, neste momento, por promessas que já sabe que não serão cumpridas.
Compartilhe

Video

Mais vistos