Cidades
Publicada em 10/07/2018 - 22h22min

Lílian Pereira
Reforma trabalhista

Bancários lançam campanha e pedem manutenção dos direitos

Segundo o Sindicato dos Bancários de Mogi e Região, benefícios como o auxílio-creche, poderão ser perdidos

Foto: Vitoria Mikaelli

Campanha Unificada 2018 foi lançada na manhã de ontem no centro da cidade
Os bancários podem deixar de ter parte de seus diretos trabalhistas a partir do dia 1º de setembro. Segundo o Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região, isso se deve a nova Lei Trabalhista que entrou em vigor em novembro do ano passado e extinguiu vários benefícios Na manhã de ontem, a entidade lançou na região central a Campanha Nacional Unificada 2018, considerada a mais difícil de todos os tempos.
As principais reivindicações dos bancários é a proteção da categoria contra o desmonte trabalhista, ou seja, querem ter os direitos assegurados na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), como aconteceu em edições anteriores. "Os benefícios que estão querendo tirar, e que são válidos até 31 de agosto, são o vale-alimentação, auxílio-creche e plano de saúde. Então essa é a nossa reivindicação, a manutenção dos direitos. Essa luta não é exclusiva dos bancários, mas de todas as categorias de trabalhadores", contou o presidente do Sindicato, Clayton Teixeira Pereira.
Dentre o que o movimento sindical pede, há a assinatura de um pré-acordo para resguardar esses direitos até o final das negociações e assinatura da nova CCT. Outro ponto que também é reivindicado é a correção da inflação, o aumento real, defesa dos empregos, melhores condições de trabalho, combate ao assédio moral e validade da CTT para todos os bancos, independentemente da remuneração.
A diretora do Sindicato dos Bancários de Taubaté e Região, Vera Saba, ressalta que o momento é de crise e que os trabalhos estão sendo terceirizados, uma vez que os clientes são obrigados a utilizarem o atendimento de banco de forma digital. "Em plena crise, terceirizam o atendimento, não garantindo qualidade, e a função social do banco ao cliente, que é obrigado a utilizar o autoatendimento e atendimento no banco digital e virtual".
O ato de lançamento da campanha nacional  começou às 10 horas teve a participação da caravana de mobilização da Federação dos Trabalhadores das Empresas em Crédito (Fetec) e de lá, os bancários percorreram as agências bancárias da malha central de Mogi para conscientizar funcionários e a população sobre a importância dos bancos públicos e das condições de trabalho.
A negociação entre o Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenabran) teve início no dia 28 de junho, mas não houve nenhuma resposta. A única data prevista é dia 12 de julho para novas negociações. 
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos