Opinião
Publicada em 14/06/2018 - 00h48min

Paulo Passos

Desculpas esfarrapadas

Na esteira da Operação Lava Jato, que com justa razão caiu no gosto de todos, a Polícia Federal, muitas vezes ao arrepio da lei, tem se notabilizado pelas prisões midiáticas que realiza. Atentos ao espocar dos flashes, seus agentes, ostentando formidável poder de fogo, pousam de heróis levando para o cárcere aqueles que, num rápido passar de olhos, entendem culpados por isso ou por aquilo.
Tão folclórico o procedimento que, policial nipônico, condenado criminalmente, em razão de sua exposição em diversas diligências viu-se ovacionado pela população, guindado a ídolo do carnaval, cantado em prosa e verso (dizem agora que almeja cargo na Câmara Federal!)
Na busca de efêmera glória; visando sair do anonimato e ganhar manchetes - ao que parece, paradigma de tantos na atualidade -, despreza-se as conseqüências dos atos, escarnece-se do aprisionado, da-se de ombros aos sofrimentos das famílias!
Mas, o que fazer quando os erros acontecem? Essa pergunta se faz presente, em razão de uma das mais recentes "façanhas" dos todo poderosos, daqueles que "prendem e arrebentam" que na semana passada deram vez a abuso de autoridade sem conta.
No afã de seguirem o padrão pré-traçado, no bojo da Operação Registro Espúrio, precipitadamente, conduziram à Delegacia de Polícia de Sorocaba Ruy Queiroz de Amorim. Fizeram-lhe perguntas, e embora o detido negasse as acusações, assim mesmo, o transportaram em viatura até a superintendência da instituição federal na capital, onde, somente após prestar outro depoimento, constatou-se a gafe: era o homem errado, buscava-se, isto sim, um outro Amorim qualquer!
Talvez, após alisar-lhe a roupa já amarrotada pelas absurdas diligências, o "douto Delegado", acenou-lhe com "desculpas oficiais", e mandou-o para casa! Óbvio que o mal já havia sido causado, e que na interiorana cidade a mácula pesou sobre os ombros do injustiçado!
Estado de Direito o que está sujeito a tais desmandos? E pensar que tantos aplaudem tais odiosas a ações.
Compartilhe

Video

Mais vistos