Stilo moda & beleza
Publicada em 02/06/2018 - 21h45min

Estadão Conteúdo
História

Imperatriz Leopoldina e a sua contribuição à formação do Brasil

Feitos da primeira estadista do País são objeto de investigação da peça "Leopoldina,Independência e Morte"

Os mais de 40 volumes sobre botânica brasileira produzidos durante o Império apresentaram a riqueza da biodiversidade do País ao mundo. As mesmas mãos que recolheram, planta por planta, foram as mesmas que assinaram o tratado de Independência do Brasil, em 1822. Divulgada nas escolas, como uma "mulher feita", os feitos da primeira estadista do Brasil são objeto de investigação de "Leopoldina,Independência e Morte", que estrou no dia 26 de maio, no Centro Cultural Banco do Brasil, e segue até o dia 21 de junho em cartaz.
Embora tenha morrido aos 29 anos, a trajetória da sucessora de Carlota Joaquina parece sobreviver nas escolas e na memória do País por seu estado civil. Mesmo assim, a mulher do afamado dom Pedro I
deixou legado com ações que transformariam a história do Brasil, como por exemplo, no dia 2 de setembro assinou o documento que ia contra o rebaixamento do País ao status de simples colônia e reafirmava a separação de Portugal.
Ausente, o imperador só recebeu a carta com o comunicado no dia 7 de setembro, com um final que não termina tão glamouroso às margens do Ipiranga. A cena é discutida na peça com texto e direção de Marcos Damigo. "Ela questiona a importância que se deu ao ato e a repercussão histórica da Independência". Com isso, não há veracidade do quadro histórico com o imperador altivo em seu cavalo enquanto empunhava uma espada. "Não teve espada nem cavalo, era uma mula", afirma a personagem interpretada por Sara Antunes. 
Com episódios reunidos da biografia "D. Leopoldina - A História Que Não Foi Contada", de Paulo Rezzutti, que também é consultor histórico da peça, o espetáculo é organizado em três momentos. "É perigoso tentar reconstituir a vida de qualquer figura histórica. Aqui, tentei compor momentos e estabelecer um ambiente na dramaturgia", diz o diretor. 
Na primeira cena, temos uma imperatriz quase ingênua, recém-chegada da Áustria ao País. "Ela narra os seus gostos, suas atividades na catalogação de plantas e minerais, o clima e o temperamento dos nativos, além de confessar a saudade de casa e a sensação de aprisionamento, desde que o imperador se ausentou e deixou-a
como chefe interina", aponta Damigo.
Para criar um conflito, o diretor recupera uma versão sobre a amizade da imperatriz com José Bonifácio, vivido por Joca Andreazza. O brasileiro, então funcionário do império, vai procurar a imperatriz após ter seus irmãos presos, em decorrência de um conflito com dom Pedro I. A ameaça de que Bonifácio seria o próximo a ser banido é quase negociada com Leopoldina. "Ele foi o primeiro brasileiro a ocupar um cargo público e em cena se torna um interlocutor de Leopoldina sobre o projeto da Independência", afirma o diretor.
Para a atriz, o âmbito da atuação pública era luxo para os homens, mas, para aquela mulher, os desafios e os papéis se multiplicavam. "Desde que ela chegou ao Brasil, engravidou nove vezes, com muitos abortos e gerando meninas, o que não era preferência para o grande herdeiro". Por se dividir em tantas tarefas, Sara fica impressionada em como sua trajetória ainda é pouco conhecida. "As escolas, em geral, se preocupam em dizer que ela era feia, quando não se prendem à amante de dom Pedro I, uma relação que todos sabiam e que as fofocas a importunavam".
Para Damigo, foi importante não ter em cena o imperador, nem como coadjuvante. "Tê-lo no palco seria mais uma vez repetir e evidenciar a versão que todos conhecem. O caso que ele teve com a marquesa de Santos, Domitila de Castro, só é citado na montagem, já que tornaria dom Pedro, mais uma vez, principal eixo da relação". 
No último momento, o delírio da morte por aborto que levou a sua mãe e a avó no passado também assombra a imperatriz, como também é metáfora do nascimento de uma nação. Como se estivesse liberta de seu próprio tempo, a personagem vai comentar, inclusive, a política atual e o lugar das mulheres no poder. "Ela carregava essa crise no corpo físico e, também, politicamente. Foi a responsável pela formação do nosso país", diz a atriz Sara.
  • Organizado em três momentos, obra narra a vida da imperatriz que veio da Áustria, se casou com o D. Pedro I e ajudou a formar o Brasil
  • A mulher de dom Pedro I deixou legado com ações que transformariam a história do Brasil, como por exemplo, no dia 2 de setembro, assinou o documento que ia contra o rebaixamento do País ao status de simples colônia e reafirmava a separação de Portugal

Programe-se

“Leopoldina,Independência e Morte”
Temporada: Até dia 21 de junho
Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Álvares Penteado, 112, no centro de São Paulo)
Horários: Segunda, quarta, quinta, sexta e sábado, às 20 horas; domingo, às 18 horas
Valor: R$ 20 (inteira) | R$ 10 (meia)
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos