Brasil e mundo
Publicada em 28/05/2018 - 22h27min

Estadão Conteúdo
Sem previsão?

Governo evita fazer qualquer projeção sobre o fim da greve

Embora o Planalto afirme que demandas foram atendidas, Ministério da Defesa não fala em normalidade

Foto: Vitoria Mikaelli

Um dos principais pontos da manifestação dos caminhoneiros em Mogi ontem foi no distrito de Jundiapeba
O governo procurou passar a mensagem de que a demanda dos caminheiros está atendida e de que a situação está voltando à normalidade, mas o fato é que evitou fazer qualquer tipo de projeção sobre quando, afinal, a crise com os caminhoneiros terá fim. Em coletiva de imprensa realizada no Ministério da Defesa, o ministro Joaquim Silva e Luna afirmou que não iria "inaugurar nenhuma promessa" sobre um prazo para a situação do país voltar ao normal, após mais de uma semana de paralisação dos caminhoneiros. "Vamos apresentar a parte cheia do copo, não aquilo que está sobrando", disse.
O detalhamento da "parte cheia do copo" ficou a cargo do almirante Ademir Sobrinho, chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas. De acordo com Sobrinho, a situação do abastecimento dos aeroportos do país e dos serviços públicos essenciais, como saúde, segurança pública e energia, está próxima de ser regularizada. "Os insumos para saúde são prioridade. A partir de amanhã (hoje) vamos garantir fluxo regular para insumos básicos de saúde", comentou.
Sobre as manifestações que permanecem nas ruas, o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Renato Dias, afirmou que o número de manifestações no país "estabilizou". As estradas federais somavam 594 aglomerações até as 16 horas de ontem, segundo o balanço da PRF. Agentes da polícia realizaram 742 liberações de rodovias federais desde o início do decreto do governo, o qual autorizou o uso das Forças Armadas em apoio às operações. "Já foram realizadas 386 escoltas para garantir abastecimento, que garantiram entrega de 14,760 milhões de litros de combustíveis", disse.
Segundo a PRF, o serviço de inteligência da polícia está mobilizado para identificar "falsos líderes" que teriam se infiltrado nas manifestações, com interesses políticos. O governo admitiu, porém, que até o momento não ocorreu nenhuma prisão de manifestantes com essas intenções.
Renato Dias disse que a PRF foi orientada a garantir a "total segurança" dos caminhoneiros, para que estes possam retornar às suas atividades, mas admitiu que até agora não houve nenhum tipo de resistência que tivesse impedido os trabalhadores de voltarem ao trabalho.
Segundo o diretor-geral da PRF, a orientação dos agentes que estão em campo é a de autuar qualquer caminhão que esteja parado irregularmente em acostamentos ou faixas das estradas. "Já emitimos R$ 3 milhões em multas contra caminhoneiros nessas situações. Estamos apenas cumprindo a lei", comentou Dias. 
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos