Esportes
Publicada em 08/01/2018 - 21h15min

No Rio de Janeiro

Pela liderança, Mogi/Helbor encara Flamengo

Além da briga dos dois times pela parte mais alta da tabela, ala Filipin e técnico Guerrinha já têm motivos para comemorar

Foto: Antonio Penedo/Mogi/Helbor

Filipin: "Quando cheguei, em 2011, era um projeto novo. Foi um risco, porque deixei de ir para outras equipes que jogariam o NBB".
O jogo de hoje às 21 horas contra o Flamengo, no Rio de Janeiro, será mais do que especial. Não só porque vale a liderança do Novo Basquete Brasil (NBB), mas porque dois personagens do Mogi das Cruzes/Helbor alcançarão marcas históricas pessoais. O técnico Jorge Guerra, o Guerrinha, comandará a sua partida de número 300 na competição e o ala Guilherme Filipin vestirá a camisa do clube pela 400ª vez, somando todas os campeonatos que disputou. O duelo terá transmissão ao vivo do canal SporTV.

“A nossa equipe está em um grande momento, fazendo um primeiro turno com um aproveitamento excelente, apesar do equilíbrio da competição, com todos os times evoluindo este ano. E a gente está mantendo o primeiro lugar. Vamos levar para esse jogo fora de casa a disputa da liderança com o Flamengo, que é um super time, com grandes jogadores, de história no basquete, com um excelente trabalho do Neto e da comissão técnica. Vai ser briga de cachorro grande”, destaca o treinador.
Últimos jogos

O Flamengo vem de vitória sobre o Pinheiros por 72 a 68 e o Mogi das Cruzes/Helbor também conquistou um importante triunfo sobre o Minas Tênis Cube, no domingo, por 82 a 65. As duas equipes têm apenas duas derrotas na competição. Os mogianos somam dez vitórias e os cariocas têm sete.


Filipin 400 jogos 

Quando entrar em quadra hoje, às 21 horas, no Rio de Janeiro contra o Flamengo, o ala Guilherme Filipin alcançará uma marca histórica com a camisa do Mogi das Cruzes/Helbor. Ele defenderá a equipe pela 400ª vez em uma competição oficial. O camisa 11 está no projeto desde a retomada do basquete na cidade em 2011. São quase sete anos de clube e números que poucos atletas brasileiros na modalidade conquistaram.

Filipin participou de 140 jogos entre Campeonato Paulista, Jogos Abertos do Interior, Jogos Regionais, Copa Brasil Sudeste, Super Copa Brasil, Basketball Days, Liga das Américas, Liga Sul-Americana e NBB. Conquistou um título Paulista, um Sul-Americano, um Jogos Regionais e a Super Copa Brasil.

“Quando eu cheguei aqui, em 10 de julho de 2011, era um projeto totalmente novo. Foi um risco, entre aspas, porque na época eu deixei de ir para outras equipes que jogariam o NBB para apostar em um projeto que estava iniciando, mas que eu sabia que tinham muitas pessoas competentes por trás, no caso o Nilo [Guimarães], o Danilo Castro, o Marcelinho Rato, o Ewerton [Komatsubara]. Eu confiava nessas pessoas”, adverte Filipin, que deve continuar atuando como profissional ainda por um bom tempo. “Estou no meu sétimo ano em Mogi. Ao mesmo tempo que muita gente fala que tenho que me aposentar, três vezes mais pessoas falam que eu não tenho que parar. Eu sei da minha hora e ela não está perto não”, destaca o camisa 11.

JOGOS

Campeonato Paulista (2011 a 2017) – 140 jogos

Jogos Abertos do Interior (2011 a 2013) – 10 jogos

Jogos Regionais (2012)- 4 jogos

Copa Brasil Sudeste (2012) - 10 jogos

Super Copa Brasil (2012) - 5 jogos

Torneio Basketball Days - Holanda (2012) – 4 jogos

Liga das Américas (2016) - 7 jogos

Liga Sul-Americana (2014 a 2016) – 23 jogos

NBB Caixa (2012 a 2017/2018) – 196 jogos

Total: 399 jogos




Guerrinha fará partida de número 300 pelo NBB

O técnico Jorge Guerra, o Guerrinha, chegará à marca histórica de 300 jogos no Novo Basquete Brasil (NBB) na partida contra o Flamengo hoje, às 21 horas, no Rio de Janeiro. Ele é o segundo treinador com mais partidas na competição, já que o técnico Régis Marrelli comandou o Vitória ontem contra o Bauru e também chegou à sua 300ª participação. Guerrinha é o que tem mais vitórias no NBB, com 189 triunfos, 110 derrotas e 63,21% de aproveitamento.
O comandante mogiano atua há 20 temporadas como técnico. Nos campeonatos organizados pela CBB (Confederação Brasileira de Basketball), ele soma 264 jogos, com 164 vitórias e um título nacional. Um aproveitamento de 62%. Juntando competições da CBB e da Liga Nacional de Basquete, Guerrinha atuou em 563 jogos e tem 353 vitórias - 62,69% de aproveitamento.
"Eu tenho o segundo maior número de vitórias na antiga CBB, sou o que tenho mais no NBB e sou o segundo com mais partidas na Liga Nacional [abaixo do Régis Marrelli, que completa 300 nesta segunda]. Isso mostra um trabalho de qualidade meu e faz eu me sentir orgulhoso", destaca.
Guerrinha comandou Bauru por sete temporadas do NBB e conquistou um vice-campeonato. O treinador está na segunda temporada pelo Mogi das Cruzes/Helbor e já ganhou um Paulista e uma Liga Sul-Americana. O título do NBB que falta, segundo ele, é importante não só como uma conquista pessoal, mas especialmente para coroar o trabalho em uma cidade que respira basquete como Mogi das Cruzes. "Em termos de brasileiro, como jogador eu tive cinco títulos e como treinador eu tive um. Agora no NBB, sim [falta para coroar]. A gente pega jogadores 'top' da NBA que não conseguiram título. Aqui, atletas como Shamell, Larry, que ajudaram a construir a Liga e que não têm títulos [de NBB] ainda. Mas isso faz parte. É a cerejinha do bolo".
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos