Cidades
Publicada em 11/01/2018 - 21h29min

Luana Nogueira
Sem reajuste

Mogi nega reajuste e mantém tarifa de ônibus em R$ 4,10

Proposta das duas empresas de transporte que atuam na cidade era para que valor da passagem fosse R$ 5,33

A tarifa do transporte municipal em Mogi das Cruzes será mantida em R$ 4,10. O anúncio foi feito ontem pelo prefeito Marcus Melo (PSDB). Na semana passada, as duas empresas que atuam na cidade solicitaram que a passagem fosse reajustada para R$ 5,33. De acordo com Melo, a decisão de manter o atual valor foi tomada depois que os técnicos analisaram as tabelas de custo apresentadas pela CS Brasil e Princesa do Norte, o número de usuários e a quantidade de veículos oferecidos.
No fim do ano passado, a Prefeitura encaminhou para a Câmara um projeto para isentar as empresas de transporte público do Imposto Sobre Serviço (ISS), que foi aprovado. "Tivemos uma reunião com os técnicos da Prefeitura e analisamos todo o sistema de transporte coletivo, como quantidade de usuários, de ônibus, de partidas, quilometragem de todo o transporte. Verificamos também quais os insumos aumentaram ou reduziram e isenção do ISS. Vale deixar registrado que quem paga este tributo é o usuário final", afirmou o prefeito.
Atualmente, a cidade conta com 83 linhas, 244 ônibus, 4.785 partidas diárias, 3,28 milhões de passageiros por mês, 348 mil integrações por mês e cerca de 30% de gratuidade. "Realizamos um estudo técnico financeiro para que a operação continue avançando. A isenção do ISS já era concedida há quatro anos em Mogi. Se não fosse aprovado seria colocado na composição da tarifa", justificou Melo.
Questionado sobre a manutenção do valor da passagem para os próximos anos, o prefeito informou que a tarifa depende de vários fatores. "Temos que identificar que o transporte é dinâmico. Temos sempre ampliado a fiscalização. Estamos mantendo esse valor até o momento em que a operação não possa ser prejudicada. Não sabemos se os insumos diretamente relacionados terão aumento. No ano passado, alguns tiveram redução e outros aumentaram. Nesse momento é possível ter uma diminuição. Não sei se terá alguma alteração direta nos próximos meses ou ano, mas nosso desejo é manter a tarifa em R$ 4,10 e se fosse possível até reduzir", acrescentou.
A expectativa é que nesse ano 40 ônibus novos renovem a frota, dez tenham mais espaço para cadeirantes e que sejam implantados novos abrigos em pontos. Melo informou que a Prefeitura ainda estuda a construção de terminais, os quais um em Jundiapeba e outro em Brás Cubas. No primeiro, a administração municipal aguarda a liberação de um terreno do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), próximo a passagem de nível do distrito. Já no outro, a Prefeitura está em busca de área.
Pelos dados apresentados pela Prefeitura, o índice de reclamações reduziu no ano passado. Perguntado se os dados refletem a sensação da população, o secretário de Transportes, Eduardo Rangel, informou que o balanço é o resultado das demandas que chegam por meio da Ouvidoria e que em caso de problemas é preciso denunciar. O número de autuações para as empresas saiu de 363 em 2016 para 663 no ano passado. Em 2017, as empresas pagaram R$ 725 mil em multas. 
  • Decisão da Prefeitura foi tomada após análise de custos, como número de usuários
  • Melo: 'Manteremos o valor enquanto a operação não for prejudicada'.
  • Rangel: 'Autuações a empresas sairam de 363 em 2016 para 663 em 2017'.

Intermunicipais serão reajustados até 3,31%

A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM) informou que a partir do próximo dia 16 passam a vigorar os novos valores das tarifas de transporte por ônibus intermunicipais na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP)

A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM) informou que a partir do próximo dia 16 passam a vigorar os novos valores das tarifas de transporte por ônibus intermunicipais na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). Nas quatro áreas de concessão e na Área 5, operada pelo sistema de permissão, os índices de reajuste serão inferiores aos de 2017.
Na Área 3, que inclui Guarulhos, Arujá, Mairiporã e Santa Isabel, o índice será de 3,15%, 56% a menos do que os 7,18% de 2017. A Área 4 de concessão, que contempla Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Poá, Mogi das Cruzes, Guararema, Biritiba Mirim, Salesópolis e Suzano, terá reajuste de 3,31%, 50% a menos do que os 6,64% praticados no ano passado.
O aumento de 12% no combustível foi o que mais pesou na composição do reajuste, que levou em conta também a elevação do custo da mão-de-obra (entre 4% e 4,5%), da manutenção dos veículos (5%), além da inflação acumulada no período e de cláusulas contratuais com as empresas operadoras.
Os valores, que variam de acordo com a extensão da linha, poderão ser consultados a partir das 17 horas na página da EMTU na internet: www.emtu.sp.gov.br.
Municipais
Praticamente todas as cidades da região do Alto Tietê já receberam propostas de aumento na passagem de suas empresas de transportes público para 2018. A Prefeitura de Itaquaquecetuba afirmou não ter aceito a proposta de reajuste de 15,3% solicitado pela CS Brasil, que aumentaria a passagem da cidade de R$ 4,10 para R$ 4,73.
A Viação Arujá enviou à Prefeitura o pedido para reajuste da passagem no município. A tarifa que atualmente custa R$ 4,05 passaria a valer R$ 4,75, sofrendo um reajuste de 17,2%. Porém, por meio de nota, a prefeitura de Arujá informou que o pedido de reajuste ainda não foi analisado pelo prefeito da cidade.
Na primeira semana do ano, o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR), não aceitou o valor proposto pela concessionária de transporte público da cidade, a empresa Radial Transporte, que solicitou o reajuste de 20,7% no valor da passagem, aumentando de R$ 4,10 para R$ 4,95. A administração municipal de Poá afirmou que não há previsão de reajuste na passagem municipal. Por sua vez, Ferraz de Vasconcelos informou que ainda não recebeu nenhuma solicitação de aumento.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos