Artigos
Publicada em 18/10/2017 - 23h20min

Cedric Darwin

Aécio

Aécio não é Delcídio. Definitivamente ser um senador do PT não é o mesmo que ser um senador do PSDB no atual momento. Delcídio foi escorraçado do Senado. Já Aécio, flagrado com R$ 2 milhões de origem ilícita, recebidos de quem hoje está preso por ordem do STF, está com seu mandato preservado. A maioria dos senadores entendeu que é melhor criar um precedente para eles mesmos. Envoltos em acusações e escândalos, preferem se acastelar no Senado e ficar imunes ao Poder Judiciário.
Temendo o efeito "Orloff", publicidade de vodca cujo slogan era "eu sou você amanhã", acusados decidiram manter o mandato de Aécio. Amanhã serão o Aécio. Uma pouca vergonha, como também é o governo Temer enlameado. E se não foi o efeito "Orloff", pode ser que os senadores tenham meditado na Bíblia e cientes de que assim como julgam serão julgados, decidiram manter o mandato de Aécio e quem sabe, tenham seus mandatos preservados no futuro.
O fato é que a impunidade dos poderosos ainda encontra espaço em nosso atual sistema político. Nossa única alternativa é promover uma faxina política em 2018, o sistema como está não fará sua própria depuração. Precisamos extirpar da vida pública quem não sai do noticiário político-policial. Não há nenhuma esperança que o atual quadro seja revertido por vontade dos próprios acusados, que não largarão o poder. Fazem dos mandatos o meio de vida próprio e de várias gerações.
Ser político no Brasil é uma profissão. Mas esses profissionais têm patrão, o eleitor, só ele pode demitir aqueles que contrariam os interesses da maioria. E o dia da demissão é a próxima eleição em 2018. É uma ilusão imaginar que a Câmara irá afastar Temer de seu mandato, pois ela mesma o colocou lá.
Mais importante são os parlamentares, deputados federais e senadores que serão eleitos. Esses são os candidatos em quem devemos prestar muita atenção, pois aniquilaram direitos dos empregados, vão aniquilar direitos dos segurados obrigatórios do INSS e dão suporte ao vergonhoso governo.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos